Benefícios da estimulação cognitiva nas doenças degenerativas

A doença de Alzheimer e a doença de Parkinson são os dois distúrbios neurodegenerativos mais comuns atualmente. Ambos estão associados a um prejuízo substancial no bem-estar, a um aumento da tensão do cuidador, bem como a um aumento dos custos de cuidados de saúde e eventual necessidade de institucionalização.

Os tratamentos farmacológicos são, provavelmente, os mais conhecidos para estes quadros clínicos. No entanto, a par destes tratamentos existem outros métodos que podem ter um papel importante no sentido de prevenir o declínio cognitivo frequentemente presente nestes casos. Neste sentido, a Psicologia assume um papel importante ao focar-se em técnicas para ajudar a manter ou melhorar o funcionamento cognitivo.

Os métodos normalmente utilizados envolvem a prática repetida, mas diversificada, de um conjunto de tarefas padronizadas no sentido de colocar em prática funções cognitivas específicas, como a memória e a atenção. Existem igualmente uma série de actividades e discussões em grupo que têm o propósito de melhorar o funcionamento cognitivo e social geral.

Desta forma, sublinha-se a importância de uma intervenção terapêutica abrangente, de forma a prevenir e intervir na doença.

Deixamos aqui um exemplo de um exercício de estimulação cognitiva, que põe a nossa mente à prova.

Olhe abaixo e diga as CORES, não as palavras:

teste-stroop

Psicóloga Catarina Matias – Equipa Psicologia | Prinovhelp