Cuidar de quem Cuida: Estratégias para superação das dificuldades.

“Estou cansado, já não aguento mais”, “Já não sei o que fazer”, “E agora, o que faço?” “Preciso de relaxar”, “Faço-o de coração, mas é muito desgastante”. Estes são alguns dos sentimentos que um cuidador sente.

 

A ansiedade e a instabilidade é constante? Sente que tem o mundo às costas e que não tem tempo para dedicar a si e às suas atividades?

 

Ser cuidador é um papel realmente exigente e, por vezes, desgastante. 

 

Mas afinal quem são os cuidadores informais? Eles podem ser filhos/as, marido/mulher, netos/as, pais, amigos/as, entre outros. Tornam-se cuidadores por questões incontroláveis e não desejáveis, como o surgimento de uma patologia num familiar ou amigo. Desta forma, tornam-se cuidadores informais ao invés de um cuidador formal, que presta um serviço.

 

Ser cuidador requerer esforço e dedicação, o que pode potenciar uma sobrecarga física, emocional e psicológica, criando muitas vezes a sensação “de mundo às costas” ou de ansiedade constante, não conseguindo controlar a sua vida e dos outros. Por estes motivos, quem cuida também precisa de ser cuidado.

 

Neste sentido, desenvolvemos as tertúlias para cuidadores, com o objetivo de ajudar quem cuida, com o desenvolvimento de estratégias de superação das dificuldades associadas. Estas irão decorrer entre janeiro e junho de 2019. 

 

Cada mês será alvo de um tema, desenvolvido por psicólogas clínicas.